Skip navigation

Category Archives: bullshit

Anúncios

Na primeira, e única, crónica que publiquei, na webzine Serpente, decidi dar como tema o que me desagradava, e ainda desagrada, no mundo literário. Uma postura, uma falta de honestidade, um querer ser. Não se pode querer ser, ou se é, ou não se é. Tal como não há talentos puros, há sempre muito trabalho por trás. Mas existe algo. Vocação, jeito, o que lhe quiserem chamar. Quando publiquei Parabola Abyssus, acreditava no que estava a fazer. Desde então, Maio de 2007, não voltei a publicar, tirando um conto na Callema e outros dois na Entre o Vivo, o não vivo e o morto, casas que conheço muito bem. E durante todo este tempo muito me perturbou o não estar a conseguir escrever, e quando o fazia, não acreditava no que estava a fazer. Falta de jeito, conclui. Hoje, relendo essa crónica que evoquei, percebo que não podia ter sido mais honesto comigo próprio. Ou se é, ou não se é, e se não tiver de ser, paciência. Nunca irei forçar nada. Há bons jovens poetas, que precisam de bons jovens críticos que os leiam e se soltem das amarras pessoais, das invejas. Como falava outro dia com o J., há uma cadeia que impede pessoas de gostarem do que outras fazem. Isso não é literatura, isso é outra coisa. Como não ler um livro e dizer que ele é o primeiro grande romance do nosso século. Está ao mesmo nível. Este desabafo todo não serve para justificar o meu silêncio, a quem aqui vem e volta. Serve sobretudo para dizer que ainda acredito na possibilidade de se ser, apenas por se ser. Sem querer ser, sem parecer ser, sem fazer por ser. Haverá algo mais honesto?

Queria só deixar um reparo, relativamente ao facto de muitas vezes colocar aqui fotos de algumas actrizes, artistas, o que seja, acompanhadas por um poema. Fazem parte de uma secção que decidi incluir neste blog denomenada de “eros”. Não é de forma alguma, uma exposição gratuita de mulheres bonitas. Faz tudo parte de um certo sentido estético que eu acredito fazer sentido. Tudo isto para dizer que as 5 pessoas que aqui chegaram por “monica belluci gangbang” vão sentir-se profundamente desiludidas se aqui voltarem.

escrever sem aparente finalidade não me faz sentido neste momento. não há urgência nisso. enquanto a voz descansa, vou partilhando o que acho merecer ser partilhado.

modern art

Mostrado pelo Paulo.

Porque há dias assim, e as imagens de gatinhos em cestos estão muito batidas.

15-02-06: O jornal “24 Horas” foi alvo de buscas por parte das autoridades judiciais, esta quarta-feira.

26-03-07: Salazar vence concurso “Os Grandes Portugueses”.

21-05-07: Um professor de Inglês, que trabalhava há quase 20 anos na Direcção Regional de Educação do Norte (DREN), foi suspenso de funções por ter feito um comentário que a directora regional, Margarida Moreira, apelida de insulto à licenciatura de José Sócrates.

21-06-07: O primeiro-ministro apresentou uma queixa-crime contra o blogger António Balbino Caldeira por causa de vários escritos sobre a sua licenciatura em Engenharia Civil na Universidade Independente (UnI).

28-06-07: A directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho, Maria Celeste Cardoso, foi exonerada pelo ministro da Saúde por não ter retirado do centro um cartaz que apresentava declarações de Correia de Campos “em termos jocosos”.

28-10-08: O líder parlamentar do PSD, Paulo Rangel, exigiu hoje ao primeiro-ministro, o esclarecimento do telefonema que fez ao director do Diário Económico após a publicação da notícia sobre a alteração à Lei de Financiamento dos Partidos. Para o líder do PSD o acto de José Sócrates é “uma tentativa de intimidação”.

19-02-09: Ministério Público proíbe sátira ao Magalhães no Carnaval de Torres Vedras.

23-02-09: A PSP de Braga apreendeu hoje numa feira de livros de saldo alguns exemplares de um livro sobre pintura. A polícia considerou que o quadro do pintor Gustave Courbet, reproduzido nas capas dos exemplares, era pornográfico, adiantou uma fonte da empresa livreira.

 Saudosamente lembrado aqui.

 

Naquele país já não há revolução, só ódio. – Jorge de Sena, 1974

 

pequenos prazeres: colocar os livros de Sylvia Plath em cima dos de Ted Hughes.

“As elevadas taxas de mortalidade infantil, em inícios do presente século, sugeriram o abandono do biberão a favor da consagrada teta materna. Não quer isto dizer que a teta —como meio de alimentação, bem entendido— não tenha tido sempre os seus acérrimos defensores, mesmo nas homilias.”

e

“O que surgiu como novidade foi o facto de a defesa da teta e da «mamada» passar a ser apreendida a partir não apenas de uma retórica assente no «naturalismo», mas também da evidência estatística de que a ausência de «mamadas» regulares poderia ter efeitos sobre a mortalidade infantil.”

José Machado Pais, A construção sociológica da juventude – alguns contributos, in Análise Social, vol. XXV (105-106), 1990 (1.°, 2.°), 139-165

 

cortesia muito infernal do f.

Then that Cobain pussy had to come around & ruin it all.

in The Wrestler

 

Já dizia o outro, o mito é o nada que é tudo.